Seminários 2011

Próximos seminários


    

7 de dezembro (17:00, Aditório do 8º andar, Bloco B- Santo André)

Dynamical gluon mass generation and the IR sector of QCD

Palestrante: Daniele Binosi (European Centre for Theoretical Studies in Nuclear Physics and Related Areas, Trento - Italy)

We review the Pinch Technique - Background Field Method (PT-BFM) framework for formulating and solving the Schwinger-Dyson equations of Yang-Mills theories. In particular, we show how within this framework it is possible to write a new set of Schwinger-Dyson equations that (i) accommodate the dynamical gluon mass generation through Schwinger's mechanism, and (ii) have much better truncation properties than the the conventional equations. The resulting solutions show (in the Landau gauge) an infra-red saturating gluon propagator and ghost dressing function, in agreement with all lattice studies to date for both SU(2) and SU(3) gauge groups as well as 3 and 4 space-time dimensions. We also briefly discuss how a massive gluon enables self-consistently confinement through the condensation of thick vortices, and study other infra-red characteristic quantities such as the Kugo-Ojima function and the effective charge.


Seminários já realizados


8 de novembro (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B- Santo André)

Magnetized equilibria of stars and astrophysical gas flows

Shinichiro Yoshida (Tokyo University)

Magnetic field is regarded to play important roles in many astrophysical phenomena from the scale of solar system to that of galaxies. Especially for the compact objects as neutron stars and black holes, the presence of very strong magnetic field in the strong gravity may give rise to the most energetic phenomena in the universe as cosmic jets and gamma-ray bursts. Our group has been interested in the behavior of magnetized gas in the systems of compact objects. In the last several years we have been working on modeling equilibria of magnetized stars and gas flows around them. I would like to share our interest of this topic and present some results obtained by us.


1 de novembro (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B- Santo André)

 

Redução no fluxo de neutrinos extragalácticos via interação com matéria escura.

Celio A. Moura (UFABC)

Espera-se que neutrinos extragalácticos sejam detectados em experimentos como IceCube e o Observatório P. Auger, porém limites cada vez mais restritivos para o fluxo destes neutrinos com energias acima de aproximadamente 1 PeV vêm sendo alcançados. Neutrinos interagem fracamente com a matéria ou campos magnéticos, por isso, espera-se que cheguem de fontes a distâncias cosmológicas praticamente sem nenhuma mudança no fluxo ou direção iniciais, o que traria informações importantes sobre as fontes mais distantes no universo e seus mecanismos. Uma possível explicação para a não observação destes neutrinos seria a interação com matéria escura durante sua propagação. Falarei sobre a formação, propagação e o limite no fluxo de neutrinos extragaláticos devido a uma possível interação com matéria escura de natureza escalar e ultraleve.

Ref: http://iopscience.iop.org/1475-7516/2011/10/007/

25
de outubro  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B- Santo André)

Gravitação com derivadas espaciais de quarta ordem.

Fábio Bemfica ( IF, USP)

No intuito de construir uma teoria da gravitação renormalizável no âmbito da teoria linearizada da gravitação, Petr Horava propôs algumas modificações na ação de Hilbert-Einstein. A idéia principal reside na introdução de termos com derivadas apenas espaciais de ordem superior a dois, realizadas em uma dada foliação do espaço-tempo. Por um lado, a ausência de termos contendo derivadas temporais de ordem superior a dois deve manter a teoria unitária. Por outro lado, as derivadas espaciais adicionais deverão melhorar o comportamento ultravioleta da teoria. Neste seminário apresentarei alguns aspectos desta teoria, mais conhecida como gravitação de Horava-Lifshitz e, para um modelo simplificado contendo termos com derivadas espaciais de ordem quatro, ilustrarei a teoria com o cálculo do propagador. Neste ponto, analisarei os graus de liberdade da teoria bem como sua unitariedade. No caso de um espalhamento de duas partículas escalares interagindo gravitacionalmente, mostrarei a analise do potencial de interação no limite não-relativístico.


19 de agosto  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B- Santo André)

Tuning the ground state of BaFe2As2: Phase diagrams and empirical trends.

Sergei Bud'ko ( Ames Laboratory, US DOE and Department of Physics and Astronomy, Iowa State University, Ames)

A brief overview and summary of the effects of transition metal (Co, Ni, Cu, Ru, Pd, and Rh) doping and pressure on physical properties of BaFe2As2 will be presented. The range of experimental parameters that allow for the stabilization of superconductivity will be outlined. The evolution of physical properties with doping, in particular, possible Lifshitz transitions, bracketing the superconducting dome, as inferred from thermoelectric power and Hall measurements (as well as ARPES) will be examined. Effects of doping will be compared with pressure. If time permits, physical properties of the recently discovered AxFe2-ySe2 family of superconductors will be briefly discussed and contrasted with the 122 family, with an emphasis on possible phase separation and controversy existing in the current data.


11 de agosto  (14:00, 212-0,
2º andar Bloco A - Santo André)  
Supermassive Black Holes - Answered and Unanswered Questions

José de Freitas Pacheco ( Observatoire de la Côte d'Azur - France)

Abordarei alguns problemas ligados aos buracos negros supermassivos, em particular a existencia destes objetos quando o universo tinha uma idade inferior a um bilhão de anos. Mostrarei que discos de acresção auto-gravitantes e não estacionarios podem explicar a presença de tais buracos negros em altos "redshifts" bem como variações abruptas de emissão-X em galaxias não-ativas, interpretadas como sendo devidas a destruição de uma estrela por forças de maré de um buraco negro supermassivo.


9 de agosto  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B -
Santo André)  
Superfluidez e turbulência quântica em condensados de Bose-Einstein.

Vanderlei Bagnato  (IFSC-USP)

Utilizando uma amostra de atomos de Rb no estado de um condensado de  Bose-Einstein, demosntramos o estado de superfluidez, a formação de vórtices quânticos e a evolução do sistema para uma turbulência quântica. Estudos experimentais  presentes e futuros neste sistema físico serão discutidos.


02 de agosto  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B -
Santo André)  
Accelerating Particles in the Universe in the FERMI and CTA era

Elisabete Dalpino (IAG-USP)

Acceleration of energetic particles is rather important for a wide range of astrophysical environments, from stellar magnetospheres, accretion disk/jet systems, supernova remnants and gamma-ray-bursts to clusters of galaxies. There is no single mechanism by which fast particles are accelerated in astrophysical environments, and it is now recognized that the data require a rich variety of different mechanisms operating under different conditions.  The mechanisms discussed in the literature include varying magnetic fields in compact sources, stochastic process in turbulent interstellar and intracluster media, and acceleration behind shocks. An alternative, much less explored mechanism so far, involves particle acceleration in magnetic reconnection sites. In this seminar I will focus on this mechanism. Magnetic reconnection occurs when two magnetic ?uxes of opposite polarity encounter each other and annihilate, releasing a lot of magnetic energy. I will show, by means of numerical simulations, that particles injected in a reconnection zone are efficiently accelerated through a first-order Fermi process and have an exponential growth of energy. This process is even more efficient in the presence of turbulent magnetic fields. As magnetic reconnection is ubiquitous in Astrophysical environments, this mechanism may be crucial for accelerating cosmic rays from solar flares to gamma-ray-bursts. The current cosmic detectors like the FERMI satellite, and the coming CTA (Cherenkov Telescope Array) gamma-ray observatory will be able to probe these mechanisms.


26 de julho  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B - Santo André)

Anomalias e Identidades de Ward para o Modelo de duas Cadeias de Tomonaga-Luttinger Acopladas

Alvaro Ferraz Filho (UFRN)

Se o número de graus de liberdade do estado fundamental de um sistema físico torna-se infinito surgem naturalmente comutadores anômalos de operadores de densidade ou de correntes que sinalizam a quebra de uma simetria clássica no regime quântico. Essas anomalias se refletem também nas identidades de Ward (IWs) e isso nem sempre e levado em conta devidamente. Nós derivamos as IWs para duas cadeias de Tomonaga-Luttinger acopladas e mostramos claramente quando essas anomalias se fazem presentes.


19 dejulho  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B - Santo André)

Breve Introdução à Teoria de Cordas

Dáfni F. Z. Marchioro (UNIPAMPA)

A Teoria de Cordas é uma das possíveis propostas para uma teoria de Gravitação Quântica. Durante os quase 40 anos de existência, passou por diversas fases, oscilando entre grandes ideias e empasses. Neste seminário, pretendo apresentar uma visão geral e qualitativa da área, e seus principais avanços.


12 de julho  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B - Santo André)

Terahertz and Mid Infrared Sources, Detection and Applications

Mauro Fernandes Pereira Jr. (Sheffield Hallam University, UK)

This talk starts with an overview of the applications and different methods for generation and detection of mid infrared and terahertz radiation.  Next higlights of our Nonequilibrium Green's Functions predictive  simulation approach are given and a new quasi particle is described to equilibrate the  talk between applied and basic physics.  Next a brief overview of challenges for further solar cell developmentg are summarized and our results for novel approaches for mid infrared thermophotovoltaics are shown.


05 de julho  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B - Santo André)

Modelos estatísticos para transições de fase em líquidos anisotrópicos

Sílvio Salinas (IFUSP)

Utilizamos modelos estatísticos elementares, em geral tratados de forma analítica, para reproduzir aspectos importantes dos diagramas de fases de líquidos anisotrópicos. Consideramos um modelo de interações quadrupolares na rede, sugerido pela abordagem de campo médio de Maier e Saupe para as transições nemáticas, que é uma espécie de análogo do modelo de Curie-Weiss para o ferromagnetismo. A versão mais simples desse modelo, com apenas três estados quadrupolares, é capaz de dar conta da transição de primeira ordem entre as fases isotrópica e nemática uniaxial dos cristais líquidos. Incluindo elementos de desordem, com o objetivo de simular uma mistura de discos e cilindros, é possível descrever diversos aspectos do diagrama de fases de certos líquidos anisotrópicos, incluindo a existência de um ponto multicrítico e de estruturas nemáticas uniaxiais e biaxiais, que têm despertado bastante interesse. Trabalhos nessa linha devem levar em conta as distinções (pouco reconhecidas) entre a "desordem fixa", apropriada para os sólidos, e a "desordem termalizada" das substâncias líquidas.


28 de junho  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B - Santo André)

Férmions em redes óticas: como observar fases ordenadas?

Thereza C. de L. Paiva  (UFRJ)

A habilidade de aprisionar átomos fermiônicos, em redes óticas a temperaturas ultra baixas (na faixa de nano Kelvin) deu início a uma nova área de pesquisa, na fronteira entre a Física da Matéria Condensada, a Física Atômica e a Ótica.  Ao contrário do que acontece nos sistemas de Matéria Condensada, nas redes óticas há um grande controle sobre os parâmetros envolvidos: as interações entre os átomos são controladas através de um campo magnético, podendo ser atrativas ou repulsivas e o potencial químico é também é facilmente controlável. Com isso, um novo desenvolvimento nesta área é a possibilidade de realizar em laboratório modelos para férmions fortemente correlacionados.  Dentre esses modelos, o mais estudado é o modelo de Hubbard. Neste seminário discuto os avanços recentes na área, em especial a busca pelo antiferromagnetismo.


21 de junho  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B - Santo André)

Neutrinos na Terra, Sol e Universo

Pedro Cunha de Holanda (IFGW - UNICAMP)

Nas últimas décadas assistiu-se a uma transição envolvendo o papel dos neutrinos na pesquisa científica. Com dados recentes de neutrinos de reatores, de aceleradores, neutrinos solares e atmosféricos, podemos traçar um panorâma preciso e consistente a respeito dos parâmetros de mistura dos neutrinos e suas escalas de massa.  E este panorâma nos permite começar a usar o neutrino como uma sonda para investigação em outros problemas astrofísicos e cosmológicos.  Neste colóquio apresentarei os dados mais recentes dos experimentos de oscilação de sabor dos neutrinos, e que valores para os parâmetros de oscilação podem ser extraídos destes dados. Mostrarei também como relacionar tais resultados com outras áreas de pesquisa, como o problema da metalicidade solar, a formação de estruturas e graus de liberdade no universo primordial.


14 de junho  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B - Santa Adélia)

Partículas de Matéria Escura: Como Provar se Existem?

Alex Gomes Dias (UFABC)

Uma série de observações astronômicas têm fornecido fortes indícios apontando para o fato de que o Universo pode conter um tipo de matéria diferente daquela formada pelos elementos na tabela periódica. Medidas sobre o movimento e curvas de rotação das galáxias, efeitos de lentes gravitacionais, e diversos outros estudos corroboram a hipótese da existência de uma matéria que não emite luz sensível aos atuais telescópios e detectores. Isso define o que chamamos de matéria escura. Discutiremos as principais observações que têm conduzido a essa ideia, bem como alguns dos experimentos em atividade de busca direta por prováveis partículas de matéria escura. É provável que em breve teremos uma prova detalhada da existência dessas partículas e, com isso, poderemos avançar em direção a resposta para a pergunta: Afinal, do que é feito o Universo?


19 de abril  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B - Santo André)

Fraude! Cientistas que se comportam mal.

Erick Bastos (UFABC)

Este seminário trata de ética em ciência e relata casos emblemáticos de má conduta científica. Seu público alvo é composto, principalmente, por alunos de graduação e pós-graduação que poderão encontrar dilemas éticos durante seu percurso acadêmico. Serão relatados casos históricos e atuais de fraude, falsificação, cópia e manipulação de dados em diversas áreas da ciência.

Referências
Arst Jr., H. N., Nature 403, 478 (2000).
Martinson, B. C., Anderson, M. S., de Vries, R., Nature 435, 737 (2005).
Errami, M., Garner, H., Nature 451, 397 (2008).

12 de abril  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B - Santo André)

Explorando a região onde as hipóteses que validam a mecânica estatística de Boltzmann-Gibbs não são satisfeitas.

Constantino Tsallis (CBPF)

A célebre entropia de Boltzmann-Gibbs e a correspondente mecânica estatística estão produzindo, há já 140 anos, incontáveis e preciosas contribuiçoes para o nosso conhecimento dos sistemas cuja dinâmica coletiva satisfaz hipóteses simplificadoras tais como ergodicidade. Entretanto, um mundo fascinante existe fora desta hipótese (e de hipóteses relacionadas). É o objetivo da entropia não aditiva Sq e da correspondente mecânica estatística não extensiva, introduzidas em 1988, uma aproximação teórica deste mundo. Ilustraremos brevemente alguns de seus conceitos básicos, assim como algumas realizações e verificações em sistemas típicos, e recentes, em sistemas naturais, artificiais e sociais.

BIBLIOGRAFIA:
(i) C. Tsallis, Introduction to Nonextensive Statistical Mechanics - Approaching a Complex World (Springer, New York, 2009);
(ii) C. Tsallis, Entropy, in Encyclopedia of Complexity and Systems Science, ed. R.A. Meyers (Springer, Berlin, 2009);
(iii) S. Umarov, C. Tsallis, M. Gell-Mann and S. Steinberg, J. Math. Phys. 51, 033502 (2010);
(iv) J. S. Andrade Jr., G.F.T. da Silva, A.A. Moreira, F.D. Nobre and E.M.F. Curado, Phys. Rev. Lett. 105 , 260601 (2010);

5 de abril  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B - Santo André)

Estados quânticos: correlações e geometria

Marcelo Terra Cunha (UFMG)

As correlações apresentadas por sistemas quânticos são tema de intenso estudo nas últimas décadas: emaranhamento, não-localidade, discórdia são alguns dos temas ainda não completamente entendidos, que tanto revelam aspectos fundamentais da mecânica quântica, quanto sobre a possibilidade de aplicação em questões práticas, como criptografia, computação e simulação de sistemas naturais. Alguns aspectos destas correlações, bem como de sua evolução temporal, podem ser entendidos com ajuda da percepção geométrica do conjunto de estados quânticos. Pretendo fazer uma introdução generosa aos termos apresentados nesse resumo, bem como dar um sabor de como a geometria pode nos ajudar em sua compreensão.


29 de março  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B - Santo André)

Efeitos quânticos em gravitação

George Matsas (IFT/UNESP)

É bem sabido que o fato da interação gravitacional ser débil em relação às demais faz com que ela seja TIPICAMENTE dominante em escalas astrofísicas ou cosmológicas, enquanto que efeitos quânticos são PRINCIPALMENTE importantes em escalas microscópicas onde as grandezas relevantes são da ordem da constante de Planck. Apesar disso, a mecânica quântica não possui NENHUMA escala de tamanho que a impeça de ser importante em regimes macroscópicos. A estratégia deste colóquio pedagógico para não especialistas é convencer a audiência de que a mecânica quântica pode e tem mais a dizer para astrofísica e cosmologia do que a sabedoria popular sugere. Para tanto, discutiremos uma série de fenômenos alguns dos quais já comprovados, culminando com um novo efeito quântico recentemente descoberto.


22 de março  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B - Santo André)

Modelagem computacional em Matéria  Condensada: da física fundamental à aplicações na indústria

Caetano Rodrigues Miranda [UFABC]

Recentemente, através de simulações computacionais têm sido possível o entendimento de processos microscópicos que ocorrem na Matéria Condensada, que não são diretamente acessíveis experimentalmente. Adicionalmente, a modelagem tem permitido a descrição da Matéria Condensada em condições extremas de alta temperatura e pressão, bem como sistemas na escala nanométrica, estados metaestáveis e transições de fase. Nesse seminário, abordaremos alguns dos projetos que estão sendo desenvolvidos na UFABC na área de modelagem computacional com implicações em Física Fundamental e em problemas reais na indústria do Petróleo e Energia. Descreveremos as transições estruturais de Clatratos de Sílica em altas pressões a partir de uma abordagem de multiescala. Nossos resultados permitiram o entendimento dos mecanismos atomísticos dos fenômenos de amorfização induzida por pressão (1). Em seguida, exploraremos o design computacional de nano e mesoestruturas para aplicações na indústria (2). Uma delas é a utilização de nanoestruturas rígidas para controlar o fenômeno de molhabilidade entre o sistema (óleo-água-minerais) em condições de temperatura, pressão e salinidade de reservatórios de petróleo (Pré-Sal). Tais estudos (2-3) não apenas levam a uma melhor compreensão dos fenômenos da molhabilidade (transições seco-molhado), transporte em escala nanométrica, mas têm implicações diretas em técnicas de recuperação melhorada do Petróleo e novas idéias como o desenvolvimento de um computador químico, em curso na UFABC. 

(1) C. R. Miranda et al., J. Chem. Phys. 134, 074506 (2011) 
(2) C. R. Miranda et al., Journal of Materials Science, 45, 5084 (2010)
(3) C. R. Miranda et al., JACS 132, 18281 (2010)

15 de março  (14:00, Aditório do 8º andar, Bloco B - Santo André)

A Importância da Divulgação Científica

Marcelo Knobel (IFGW - UNICAMP, Atual Pró-Reitor de Graduação da UNICAMP)

Diariamente somos inundados por inúmeras promessas de curas milagrosas, métodos de leitura ultra-rápidos, dietas infalíveis, riqueza sem-esforço. Basta abrir o jornal, ver televisão, escutar o rádio, ou simplesmente abrir a caixa de correio eletrônico. A grande maioria desses milagres cotidianos são vestidos com alguma roupagem científica: linguagem um pouco mais rebuscada, aparente comprovação experimental, depoimentos de “renomados” pesquisadores, utilização em grandes universidades. São casos típicos do que costuma-se definir como “pseudociência”. A definição de pseudociência é muito genérica, e pode incluir, além dos poucos exemplos citados, uma miríade de fenômenos paranormais, sobrenaturais, extrasensoriais, e qualquer conjunto de procedimentos e “teorias” que tentem se disfarçar como ciências sem realmente sê-la.  A discussão dos limites entre ciência e pseudociência certamente inclui uma questão mais profunda: o que é ciência? Como definí-la? Esse é um assuntocomplexo e delicado, e impossível de tratar em um breve seminário. Entretanto, vale a pena discutir porque devemos nos preocupar com as pseudociências. Alguns dos exemplos citados, e os respectivos personagens envolvidos, não passam de objetos de ironia e diversão para uma camada da população mais instruída. Aparentemente, não podem causar mais impacto do que simples arranhões à já aparentemente consolidada imagem da ciência, que é geralmente vista como um pilar firme onde a sociedade se apoia. Entretanto, vale lembrar que inúmeras vezes a pseudociência é utilizada com má fé, destinada a usurpar o dinheiro da população em geral que ingenuamente acredita em evidências casuais, rumores e anedotas. Esse fato torna-se ainda mais drástico quando essas crenças atingem a área de saúde, onde o prejuízo financeiro pode vir acompanhado de um irreparável dano físico e/ou mental. Neste seminário é apresentada uma breve tentativa de delimitação do que pode ser considerado pseudociência, lembrando, entretanto, que os limites muitas vezes são extremamente tênues. Serão dados exemplos de lendas urbanas que, por caminhos tortuosos, atingiram diretamente um grande número de pessoas, com o objetivo de ilustrar os potenciais “perigos” das pseudociências. Serão discutidas algumas possíveis ações de dvulgação cinetífica que os educadorese cientistas podem realizar, sempre recordando que o importante é estimular, antes de tudo, o pensamento crítico e a discussão. Finalmente, são mostradasalgumas ações que vem sendo realizadas na UNICAMP.

Go to top